Bem-vindo!

Dada a minha relativamente rica experiência de vida, designadamente no âmbito profissional, foi-me sugerido por alguns colegas e amigos que a transmitisse, por intermédio de um blogue. Assim, aqui lhes irei transmitindo experiências de vida, de cariz profissional mas não só. Experiências desde a minha adolescência. Experiências com amigos e com causas. No fundo experiências de um português que nasceu no pós-guerra, que viveu a Ditadura e a Democracia, e que teve a sorte de ter uma vida compartilhada com tantos amigos...

Agradeço o vosso contacto para curvelogarcia@netcabo.pt



terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

O Homem Novo

Abril de 1963. Estou nas Férias da Páscoa do meu primeiro ano no IST. Numa excursão organizada pela Associação de Estudantes do IST, rumo a Madrid, juntamente com três amigos meus... dois do Técnico e um de Medicina (o meu primo Tó Curvelo). Uma viagem de comboio, no Lusitânia Expresso. Cerca de uma semana em Madrid, hospedados num albergue de estudantes, na Rua Serrano, perto da Gran Via (como ainda hoje me lembro...). Cumprimos os mínimos exigidos a turistas... o Palacio de Oriente, a Plaza de Cibeles, o Paseo de la Castellana, a Plaza de España, a Plaza Mayor, o Estadio de Chamartin, o Museu del Prado (nesse tempo, ainda não havia o Museu da Guernica, porque Pablo Picasso o não autorizava: o regime franquista ainda pontificava!). À noite, uns jantares e uns copos num bar... umas "tentativas de engate". Para um de nós os quatro, a tentativa resultou mesmo: casou algum tempo depois!
Numa dessas noites, jantámos num daqueles muitos restaurantes das ruas próximas da Plaza Mayor: tapas, cañas e muito muito barulho! Ainda durante o jantar, dois amigos, bem mais velhos que nós, numa mesa ao lado, meteram conversa... Falámos imenso... sobre o papel da cultura na vida dos povos, sobre política, sobre as ditaduras europeias de Portugal e Espanha e da América do Sul. Eram sul-americanos. Um deles saiu mais cedo e restou apenas um. Conhecia as realidades portuguesa e espanhola como eu nunca poderia imaginar que alguém pudesse conhecer... Recordo de o ouvir dizer-me, quando soube que eu era aluno do Técnico, mais ou menos isto: "muito tempo tem ainda de ver, com muita tristeza, aquela zona relvada da Alameda, em dias de chuva e de frio; mas um dia vai ver essa Alameda cheia de Sol, com uma alegria imensa!". Depois do 25 de Abril, nessa mesma Alameda, quantas vezes eu senti isso e me lembrei dessas palavras, em manifestações do 1º de Maio e do 25 de Abril!!!
Essa noite ficou memorável para mim... O que eu aprendi... com esse homem que me abriu o espírito para a necessidade e a inevitabilidade da Humanidade construir o HOMEM NOVO!
Essa construção ainda não está feita... mas muitos passos já foram dados... Recordo essa lição, quando vejo acontecer grandes passos da Humanidade, como a libertação dos povos colonizados (por exemplo, os PALOP e Timor-Leste), como o renascer da África do Sul (com um tão Grande Nelson Mandela), como o Brasil de Lula da Silva, como as atuais rebeliões nos países de cultura árabe... E vejo como esse caminho ainda é longo... quando o capitalismo selvagem ainda domina tantos milhões de seres humanos!
Nessa noite em Madrid, em Abril de 1963, esse homem me deu uma enorme lição sobre "a necessidade e a inevitabilidade da Humanidade em construir o HOMEM NOVO, e as dificuldades que iremos defrontar para conseguirmos essa construção".
Vi (aliás, vimos nós os quatro) esse homem quase como um profeta! Um profeta quase no sentido bíblico da palavra.
Tinha um sotaque castelhano, típico sul-americano. Chileno? Argentino?
Despedimo-nos. E, nós os quatro (portugueses) olhámo-nos e... passados alguns momentos... dissemos quase em uníssono:
"quem seria este homem?"
"CHE GUEVARA!"
Esta hipótese pode até ser sustentada por muitos fatos, até pelo percurso (conhecido) de Che nesses anos...
E podia evidentemente não ser ele... até nem sequer um seu seguidor...
Mas uma coisa é certa: o que esse homem me ensinou nessa noite foi o pensamento de Che, sobre a "construção do Homem Novo".
Por isso, nessa noite de Abril de 1963, em Madrid, eu conheci Che Guevara, que me ajudou a construir o meu futuro!


Sem comentários:

Enviar um comentário