Bem-vindo!

Dada a minha relativamente rica experiência de vida, designadamente no âmbito profissional, foi-me sugerido por alguns colegas e amigos que a transmitisse, por intermédio de um blogue. Assim, aqui lhes irei transmitindo experiências de vida, de cariz profissional mas não só. Experiências desde a minha adolescência. Experiências com amigos e com causas. No fundo experiências de um português que nasceu no pós-guerra, que viveu a Ditadura e a Democracia, e que teve a sorte de ter uma vida compartilhada com tantos amigos...

Agradeço o vosso contacto para curvelogarcia@netcabo.pt



segunda-feira, 4 de abril de 2011

Geração após geração, cresce a Ciência e o conhecimento do Mundo!

Numa Conferência que proferi há alguns anos, e publicada num artigo deste blogue, intitulada "Cultura Científica - Aprender, Inovar, Divulgar, Cooperar", referia em dado momento: "Aprender, durante todo o percurso profissional. Obviamente, na convivência com os Mestres, mas mais do que tudo com a sua leitura; com a leitura dos seus textos. E mais ainda: com a reflexão sobre os seus ensinamentos. Evidentemente, aprender muito com os nossos colegas, com os nossos pares científicos, com a sua experiência, com a sua visão (tão parcelar como é a nossa) sobre o objeto de reflexão e de entendimento. E aprender com os nossos colaboradores, com os nossos discípulos. E todos temos mestres, todos temos colegas, todos temos discípulos".
É este artigo dedicado a alguns dos meus Mestres e a alguns dos meus discípulos, alunos e continuadores.
Comecemos pelos meus Mestres... Estão já alguns referenciados em artigos do Blogue: José Régio (Artigo nº 6), João Tavares (Artigo nº 3) e Luís Campos (Artigo nº 1).
Mas, nesses Mestres, incluo desde logo o primeiro, meu professor do ensino primário, jornalista e um dos mais célebres estudiosos da História da Cidade de Portalegre do Século XX, o Professor Ângelo Monteiro.
No ensino secundário, em Portalegre, e para além de João Tavares e de José Maria dos Reis Pereira (José Régio), recordo A. Viseu, J. Cruz e A. Marcão, entre diversos outros... O que sou hoje tem um pouco deles... Está nessa transmissão de conhecimento e de vida a essência e a beleza do Ensino!

Professor J.J.R. Fraústo da Silva
E, na minha aprendizagem universitária (no meu IST, no meu Técnico), que Mestres mais guardo dos seis anos de Licenciatura em Engenharia Química? O enorme matemático F. Dias Agudo (que importância teve na minha vida profissional o que dele aprendi sobre cálculo matricial!), o grande tecnólogo Luis Almeida Alves, o geólogo e mineralogista Aires de Barros (com quem aprendi como a cristalografia pode ser uma eficaz representação da ordem do Universo), o grande quimico-físico Jorge Calado (que mais tarde vim a conhecer como um monstro na crítica da Música e da Ópera em particular e que tanto me ajudou na ligação entre a Ciência com a Cultura e a Arte), o Professor B. Harold (que me ensinou as bases da nomenclatura de Química Orgânica cujos princípios, passados que são mais de 40 anos, ainda me são de grande utilidade) e, claro, o Mestre que mais me marcou em toda a minha vida profissional: o Professor J.J.R. Fraústo da Silva!
No fundo, quem foi e o que representou para mim o Professor Fraústo da Silva?
Foi, antes de mais, o meu Professor e Mestre de Química Analítica... especialidade que eu próprio viria a seguir na minha vida profissional. Durante toda a minha vida, muito continuei a aprender com ele, lendo as suas obras e artigos sobre a Química e a Vida. Foi a ele que recorri, em 1988, para fazer a Apresentação do meu livro "Controlo de Qualidade dos Vinhos", o que muito me honrou. Em 1996, foi o Principal Arguente das minhas Provas Públicas no concurso para Investigador Coordenador. Em 1998, foi quem muito me apoiou na organização do Congresso Internacional da Vinha e do Vinho, realizado em Lisboa, desde as facilidades encontradas na utilização das instalações do Centro Cultural de Belém, até à indicação do Conferencista para abordar o tema de "Cultura, Arte e Ciência" (o seu colega no IST e também meu professor, Jorge Calado). E veja-se quem foi esta figura, que tanto me ajudou e ensinou ao longo de uma vida... tão só um dos mais jovens Doutores da Química em Portugal, Professor Catedrático e Diretor do Instituto Superior Técnico, Ministro da Educação e Ciência, Presidente da Fundação das Descobertas...

Seguidamente, farei agora uma referência aos meus colaboradores e discípulos, com quem também muito aprendi.
Tive largas centenas de alunos, nas mais diversas situações de relação professor - aluno: Cursos de Formação Profissional e de Ensino, com especial destaque para o Curso de Mestrado em Viticultura e Enologia (Universidade Técnica de Lisboa e Universidade do Porto, realizado de 1994 a 2008).
Mas o que essencialmente me liga aos meus alunos foi a orientação de Teses de diversos níveis profissionais e académicos.
Tentarei referir aqui todos esses meus alunos orientandos, muitos dos quais em coorientação com outros colegas meus, da minha instituição e das respetivas Escolas.
Teses de Fim de Curso de Bacharelato e de Licenciatura - Ana Maria de Oliveira Simões, Maria José Lopes Pereira, Maria Teresa de Oliveira Pericão, Cristina José Miguel Pintado, Susana Clara Ferreira Marques Rodrigues, Daniela Filipa Cunha Pinto, José Daniel de Almeida Soares, Maria Inês Pimentel e Ricardo Alexandre Calado Braz.
Teses e estágios de pós-graduação - Maria João Gil de Almeida, Jorge Manuel Rodrigues Ricardo da Silva, Dina Fernanda Rosa Coelho, Paulo Jorge Cameira dos Santos e José Manuel Couto Silvestre.
Teses de Mestrado - Isabel Maria da Silva Fernandes Esteves, José Manuel Couto Silvestre, Sofia Cristina Gomes Catarino e Madalena Tavares Gouveia Machado Botelho de Sousa.
Teses de Doutoramento - Sofia Cristina Gomes Catarino e Helena Maria Cordeiro de Sousa Mira.
Guardo gratas recordações de todos eles... com quem muito aprendi...

Doutora Sofia Catarino
Mas, deles todos, destaco a minha discípula Sofia Catarino, minha orientanda do Mestrado em Viticultura e Enologia e do Doutoramento em Engenharia Agro-Industrial, para além da sua colaboração numa Bolsa de pós-doutoramento e, finalmente, enquanto Investigadora contratada.
Com a minha aposentação, saio de cena muito feliz por me ter sido possível deixar a minha área de atividade em muito boas mãos... Nas mãos da Investigadora Auxiliar Doutora Sofia Catarino.
Este meu percurso profissional demonstra bem a verdade do que disse no início e citando a minha Conferência intitulada "Cultura Científica - Aprender, Inovar, Divulgar, Cooperar": "Aprender, durante todo o percurso profissional. Obviamente, na convivência com os Mestres, mas mais do que tudo com a sua leitura; com a leitura dos seus textos. E mais ainda: com a reflexão sobre os seus ensinamentos. Evidentemente, aprender muito com os nossos colegas, com os nossos pares científicos, com a sua experiência, com a sua visão (tão parcelar como é a nossa) sobre o objeto de reflexão e de entendimento. E aprender com os nossos colaboradores, com os nossos discípulos. E todos temos mestres, todos temos colegas, todos temos discípulos".

1 comentário:

  1. Doutor Curvelo Garcia- lamento por si, pela brilhante escola de Enologia que criou e claro pela Doutora Sofia Catarino. O que acaba de referir vem evidenciar que pessoas com a vossa enorme craveira são grandes de mais para um país tão pequenino como o nosso, ou melhor com pessoas tão pequeninas como as que vamos tendo a liderar
    João Ventura

    ResponderEliminar